<$BlogRSDURL$>

Aqui seu vexame é nosso entreterimento...

Saturday, April 17, 2004

Nossa que Blog desatualizado!!! Quase que completa um mês com zero atualizações... talvez seja por falta de público... ainda bem que existe aquele dado estatísco que diz que a maioria das melhores peças, os melhores shows, os melhores filmes, não são sucesso por falta de público... parece um tanto contraditório, mas é bem possível... não que seja o caso desse blog, longe disso... mas é um bom consolo.

E como o show tem que continuar... já que estamos falando de "The O" O cara, será que seria o momento de expormos toda a verdade de Ouro Preto? Tirem as crianças da sala, não tentem isso em suas casas... em breve, "101 momentos mais chocantes de Ouro Preto"
Splynter

Monday, March 08, 2004

Mais uma de The "O"

Era mais uma noite do magnífico Carnaraleh em Campanha, todos nós alegres e bêbados, obviamente. Ao final da escalada de quatro horas e meia até a praça pudemos ver o verdadeiro carnaval, todos olhando ao longe quando de repente, passa ao lado de nosso famosíssimo amigo The “O” um projeto de ogro, com 1,2 m de altura por 2 m de largura e um sorriso indescritível e diz: Oi, The “O”, não lembra de mim?
A reação imediata de todos nós foi apressar o passo para poder dar mais risada ...
O pior de tudo foi a confissão de nosso amigo de que conheceu a família andou de mãos dadas e tudo mais ... isso prova que nosso amigo é um guerreiro que não discrimina, não importando se tem dentes ou não. E que a teoria de que todas o querem se mantém.

Wednesday, February 11, 2004

Este blog reunirá os velhos e os novos contos dos inúmeros vexames da Raleh! Agora que a Raleh está com novos integrantes acho que todos têm o direito de conhecer as histórias que já rolaram.. e direito de serem autores de novos contos e o principal, serem os heróis protagonistas...he he!

"Os Contos são de autores variados.
Neles, vocês conhecerão, personagens interessantes, personagens que poderão virar mitos, verdadeiras heróis.
Quero lembrar-lhes que todas as histórias aqui apresentadas são fictícias e qualquer semelhança com a realidade, é mera coincidência."


ao que interessa... os três 1ºs contos foram os que estrearam o CB no seu primeiro lançamento... meados do início de 2001 (são ótimas inspirações para o Carnaval 2004):


Splot on the beach

Data: Carnaval 2001
Local: Pousada de Veraneio Jackson Japa - Filial
Evento: Carnaval, ô porra !!!

Estávamos nós, Carnaval 2001, plena Caraguá, praia, e... temos a revelação de um dos nossos mais destemidos heróis: Splot Sem Parâmetros. Com frases do tipo: "Vamos lá pessoal, agora Sem Parâmetros", nosso herói se consagrou por conhecer criaturas horrendas. Uma dessas criaturas tinha o codinome de Um olho Peixe Outro no Gato. Muita coisa rolou no Carnaval 2001, afinal foram 4 dias de convivência entre inúmeras personalidades, CB & cia. Outras histórias surgiram a partir de Carnaval 2001, por exemplo: "O colecionador de ossos", "Tatuapu e sua turma", "Jucy Cospe Grosso" e a dramática história narrada por Pangelo: "Voltando para casa". Que ficarão por conta da imaginação de vocês a partir dos títulos. Splinter


Jucy Cospe Grosso

Data: Carnaval 2001
Local: Pousada de Veraneio Jackson Japa - Filial
Evento: Carnaval, ô porra !!!

Este conto foi narrado por Bianca, patricinha que foi à Caraguá esperando passar um carnaval normal e pensando que iria se divertir muito. Ele retrata apenas umas das ações do mais corajoso e destemido de nossos heróis. "Estávamos nós (eu e umas amigas super legais) em pleno carnaval de Caraguá, a procura de garotos também super legais. Mas... eis que surge um individuo legal na minha frente, ele estava com uns amigos bem legais também, CB & cia. E me pergunta se eu poderia dar uma informação, eu na verdade não queria dar informação nenhuma, mas esta frase ficou em minha mente, jamais o deixaria abandonado... mas, assim que parei para ouvir qual a dúvida daquela pessoa, ela resmungou um negócio estranho:
- Humm! ãhhhhh... Chupeta!!
Não entendi nada.Eu até que estava gostando daquele papo diferente, era um garoto bem legal e autêntico. Infelizmente meu sentimento foi momentâneo, porque após o resmungo... arghh, não gosto nem de lembrar... ele, que parecia estar tão bem, vira para o lado, tosse um pouco mais forte e... lança uma massa alimentar densa, cremosa, mal mastigada e mal cheirosa. Depois ele olha pra mim como se nada tivesse acontecido.... vocês podem imaginar? Cara-de-pau este garoto!! É Lógico que fui embora." Bianca


Dia do Lacramento do Ginasium

Data: Dia do Lacramento do Ginasium
Local: Ginasium Sauna´s Bar
Evento: Festa do Cursinho (a que ponto fomos chegar, hein!!!)

Jussy surge a partir daí... Fomos a uma balada... nós, CB & cia. O que parecia ser mais uma noite de muita dança, paquera, orgia; tornou-se um pesadelo. O lugar: Ginasium Sports Bar, ou talvez Sauna Sports Bar ou então Vaso Sanitário Sports Bar. Que lugar ruim! Tanto que foi extinto. Quando entramos na balada, mais menos quatro horas da manhã, após kilômetros e kilômetros de fila, notamos que não havia ventilação alguma e as paredes do lugar estavam escorrendo água, ou suor, ou baba, tudo misturado. E... foi neste clima que se revela nosso herói, o aclamado, Jucy. Já eram cinco horas da manhã quando resolvemos pagar e ir embora. Só que havia apenas uma caixa, e era caolha. A demora foi inevitável, éramos os últimos. O lugar já estava sendo varrido. Varrido por uma pessoa, que, para Jucy, muito especial. Depois de um mês vendo milhares de branquelas de nariz grande na Europa, aquilo lhe parecia um sonho. Uma morena, não importa se tinha todos os dentes, se usava havaianas, ou se apresentava penugens embaixo do braço, era morena e pronto. Daí para a paixão foi um passo. Os dois se atracavam num lindo romance. Os seguranças bem que tentaram separar o casal, mas a saudade do Brasil era tanta que nem batalhão de choque resolveria a situação. Que bravura, que astúcia, Jucy, um dos principais heróis de Contos Bizarros. Splinter

(depois de um tempo a gente lê isso e pensa: kra que sacanagem com amigo da garotada... se alguém se sentir lesado por alguns dos contos tem o direito de retrucar... só não pode pedir pra tirar o conto do ar)


Mais um do Carnaval.... meio misturado com Atibaia...


Histótias de outros carnavais

Local: Mansão de alpinismo e escalada Zago Gomes -filial Atibaia
Data: 13 à 15 de julho
Evento: Churras
Estrelando: The "O"

Era noite em Atibaia. Exatamente uma noite de uma sexta-feira 13. Muitos dormiam nessa hora, poucos estavam reunidos na copa a fim de espantar o frio de -4° que fazia. O gelo congelava a água da piscina, dos encanamentos (o que explica a falta de água), congelava até a barba mal feita de Mr. Bin.
Pois é, estávamos lá eu, Tamtam (C.B.), Jussyana, Mara Samaravilha, Pudim-mila, Jussy, The "O", entre outros. A música do rádio já não tocava mais (falantes congelados), o vento fazia com que as janelas batessem o tempo todo, o frio percorria desde o começo da espinha até a nuca, as velas não conseguiam se manter acesas. Foi então que colocaram em pauta a cogitação de contar histórias de terror. Muitos tentaram contar sem amedrontar ninguém, mas eis que de repente surge a pior de todas as histórias narradas. Na época a comissão achou melhor essa história nem parar no site de Contos bizarros. Porém o silêncio foi quebrado nessa noite de sexta-feira 13, então terei que narrar umas das piores histórias de contos bizarros, importada de Caraguá para Atibaia numa sexta-feira 13. Aqui vai ela, preparem-se:

"O terrível miojo do The 'O'"

"Era dia em Caraguá, muito sol, mulheres semi-nuas, caiçaras e outros seres desse mundo a beira-mar. Estávamos todos na Mansão de veraneio Kogeyama - Filial Caraguá. Depois de muitas estripulias durante a manhã, começou a nos torturar a maldita fome. Recuamos, apesar de toda a perseguição feminina, para poder ter uma refeição que nos sustentasse durante dois dias.
Foi aí que tudo começou, depois de muito distúrbio, foi decidido que o nosso banquete seria miojo. Visto que até esse dia todos conseguiram sobreviver graças a maravilhosa bolacha do tipo rosquinha sabor chocolate da marca extra comprada pelo maravilhoso Splot, as quais eram macias e saborosas.
Visto que nosso ilustre The "O" até esse momento, nada tinha feito para o bem estar da casa (ele apenas faz caridades para os seres que se dizem do sexo feminino e vivem a beira mar), se propôs a cozinhar nosso maravilhoso banquete.
Tudo ia bem, nosso amigo The "O" colocou-se até a ler as instruções do mesmo e calculou:
- 'Bom, se um miojo requer 5 minutos de fogo, 8 miojos vão precisar de 40 minutos para ficar pronto!!!!'

Aí que começou a merda, cozinhou, cozinhou e cozinhou. Vale a pena lembrar que para tudo isso ele colocou a quantidade de água para meio miojo. Após os quarenta minutos de destruição ele conseguiu notar que a massa era uma só: miojo, panela e colher. Parecia que não havia mais nada a ser feito, tudo já estava destruído. Mas ele conseguiu, chamou o amigo Germano para colocar o tempero e segurar a panela para tentar mexer a massa..
Tudo em vão, víamos a cena da destruição (mas com tempero em cima) e então a massa era uma só: miojo, panela, colher, fogão e Germano. Tudo isso girando em círculos graças ao movimento de The "O".
Daí pra frente a só tendeu a piorar, pela primeira vez que vimos Ponshio sem uma lata de cerva na mão foi pra dar a magnífica idéia de colocar Katchup na massa para tentar melhorar as coisas (antes ficasse enxugando suas loiras). Resultado: miojo, panela, colher, fogão, parte do encanamento, Fernando e Ponshio tornaram-se um corpo só girando conforme os movimentos de The "O".
Não havia como piorar, erro de vocês, havia sim como piorar. Veio então Giunji, com a idéia de colocar óleo para melhorar a situação. Pois é, ficamos então: miojo, panela, colher, fogão, parte do encanamento, o cachorro da vizinha, Germano, Ponshio e Giunji numa massa só, como única diferença podíamos notar que o mijo girava em falso (a massa estava espanada) graças ao óleo de Giunji.
Daí foi para pior, o almoço foi salvo graças ao homem da barraca de cachorro-quente, que acabou por ficar grudado nessa história toda."
Bom, e foi essa a história de outros carnavais que surgiu em Atibaia e ainda não havia sido contada, muitas estão por vir, mas vejam os título: Mr. Bin, Nilson e Quasar em: "Voltando pra casa" Primos de TamTam em "Nós fomos???". Scot


Apresentação para os contos de Atibaia:

"Muitas coisas aconteceram durante esses três dias de convivência, realmente muita merda borrou a porcelana dessa privada e os baldes de água pra limpar tudo isso foram em vão. Poucas dessas coisas vamos tentar narrar...". Scot


Joselitos

Data: 13 à 15 de julho
Local: Mansão de alpinismo e escalada Zago Gomes - Filial Atibaia
Evento: Churrasco (pra variar)
Estrelando: Tiller´s (ou Quasar, como queiram)

Já anoitecia, começava então a nevar no recinto, os gnomos (dessa vez localizados ao pé do morro) já começavam a montar seus bonecos de neve. Todos esperavam algum ataque de nosso amigo Mr. Bin, ou de seu comparsa X-Plinter, e eles tentaram. Mr. Bin conseguiu dar um sumiço em nosso "Sangue de Boa" e contaminava nossos ouvidos com forró universitário (segundo o ponto de TamTam, nosso anfitrião), enquanto X-Plinter fazia suas próprias versões do Rappa no violão. Tudo em vão, a temporada ficou para o mais novo Jô (com essa adição de elementos, a situação dupla Jô ganhou a promoção para Clã Jô): O "Quasar" (lembram dessa?) ou "Tiller's". Levando ao pé da letra a expressão: "é melhor sobrar do que faltar", colocou-se a salgar a nossa picanha., com todo o sal do mar possível, transformando-a em waffer, muitos diziam que era até possível localizar alguma carne no meio do sal. Eis que então, ele toma a posição de esponja, enxugando tudo que era possível, cantando tudo que era possível sem qualquer ritmo e dizendo expressões como: "Quasar!!!!" e também: "Quasar!!! e mais ainda: "Quasar!!!", gastando todo o seu grande vocabulário. Todos estavam cantarolando junto a churrasqueira, visto que o projeto "Luau na Foqueira" havia durado apenas alguns segundos depois que um dos integrantes de outro movimento (TPM), o Reysaka, acabou com toda a lenha tentando fazer show´s pirotécnicos, além de destruir a própria sobrancelha. Além do projeto: "Luau na Lareira" ser destruído pelo nosso amigo Chambinho ao tentar colocar toda a lenha cortada por TamTam durante o dia todo a mercê de nosso amigo Reysaka. Restou a nós apenas o Luau na churrasqueira sob luz de velas. Cantávamos todos, muitos outros apenas tentavam, outros mal conseguiam isso. Eis que em certo momento da noite, nosso amigo Tiller´s (que nesse momento da noite tinha como resposta aos seus gritos de "Quasar" apenas os grilhos do jardim), solta o verdadeiro "quasar" no meio de todos, lavando a churrasqueira e espantando a rodinha. Restou apenas a nós, seres com menos de 75% de álcool no sangue, ir embora. Bom muita coisa aconteceu nesses três dias, muitas outras estão para serem contadas, entre elas estão: Mickey em: "Virando zumbi com cerveja preta" Jackson Japa em: "Para espantar o aborrecimento" Reysaka em: "Suicidando a sobrancelha". Scot


Jussy versus Jussy

Data: 13 à 15 de julho (2001)
Local: Pousada de alpinismo e escalada Zago Gomes
Evento: Churrasco (pra variar)
Estrelando: Sim, ele, o Jussy...

Já era sábado, muita coisa aconteceu até então, era uma tarde de Sol, muitos já estavam pra lá de Bagdá, pássaros cantarolavam, as flores desabrocharam, a grama nessa hora (umas seis da tarde) estava auto-colante de tanto que o Raul passou por lá. Eis que então aparece nosso conhecido Jussy, que depois de passar aquele vexame que todos nós conhecemos, ele dessa vez guardava algo mais. Em certo momento de suas estripulias ele resolve ir ao banheiro, novamente ele dizia: "Não, apenas vou dar um tranco na louça", "Não, vou fazer pressão na cerâmica", "Não, vou submergir o submarino marrom ." Tudo em vão, todos nós sabíamos que ele ia invocar o Hugo. Até então tudo certo, mas a deixa final de nosso amigo veio a acontecer dentro do templo Quasar (lembram dessa?). Ele estava só, eis que de repente ele se viu frente a frente com uma figura de sobrancelhas avantajadas, com penteado bastante peculiar. Tudo caminha bem, até que esse ser começou a imitar tudo que nosso amigo Jussy fazia. Mesmo vendo Jussy ficar vermelho de raiva, o ser continuou a imitar sem parar, e sem se importar com o ódio que estava subindo a cabeça de nosso amigo. Jussy, como todos nós sabemos, macho-chô, espada e reprodutor, na podia aceitar uma situação daquelas e deu um cruzado a "lá Popó" na cara desse ser. Resultado: um espelho quebrado no banheiro do recinto. Bom, esse foi apenas um dos contos que aconteceram, muitos outros estão por vir, tais como: Quasar em: "Como temperar o sal com carne" S. Benucci: "Carne: crocante, porém carne". Scot


Ninguém dorme

Data: 13 à 15 de julho (2001)
Local: Pousada de alpinismo e escalada Zago Gomes
Evento: Churrasco ao sal
Estrelando: Nilson

Ocenário: Atibaia. No caminho já vimos o que nos esperava, subimos, subimos e subimos o morro. Quando chegamos, percebemos que faltava oxigênio devido a altura. Estrelas podiam ser vistas ao céu, os homenzinhos azuis estavam limpando a piscina quando chegamos (que bela merda, hein?!?). Foi definido, pelo comitê, que não iríamos destruir a picanha logo que chegamos, íamos ficar apenas na salsicha com pão, tal destruição ficaria para o dia seguinte (S. Benucci e Quasar podem dizer mais a respeito). O que aconteceu essa noite não vai ser descrito aqui, passaremos logo para o dia seguinte. Foi quando o maléfico Nilson junto com seu comparsa Monkey chegou. Monkey foi derrotado pela cerveja preto logo no início, por sorte dos inocentes presentes, transformando-se em zumbi, além de deixar o chão da sala da lareira alto-colante ao invocar o Raul. O pior veio a noite. Visto que todos que estavam desde sexta foram dormir apenas sete da manhã, graças ao nosso conhecido The "O" (que pela primeira vez perdeu o posto de mais bêbado do evento para nosso amigo Tiller´s) que ficou cantarolando a noite toda. Todos queriam apenas dormir, mas Nilson junto com seu aliado Mr. Bin (ele não deixaria de estar nessa, lógico) começaram a cantarolar: "Ninguém dorme!!!" , não tendo muito sucesso. Foi então que passou a idéia da panela, um desastre. Foi então que chegou Reysaka, também com penteado pouco peculiar, o verdadeiro macaco oriental. Não bastando seus planos de acabar com a fogueira, o figura em questão trouxe consigo uma corneta, a qual ele faz sua satisfação sexual. Foi o que o maquiavélico Nilson queria, e então mais ninguém dormiu. O pior não foi ter que acordar, o pior era ficar desviando dele, que passou a noite inteira fazendo coreografias de axé no meio da passagem, sem vergonha nenhuma, coisa de macho (que papelzinho, hein?!?), dizem até que ele é professor, e dizem, ainda, que ele foi visto dançando forró, onde já se viu coisa parecida (me faz lembrar o que diria eu diante de um estacionamento lotado: "onde é que vamos parar???"). Realmente uma vergonha. Sem mais a dizer sobre esse assunto, aqui vai mais um conto, muitos estão por vir, mas os títulos podem iluminar a mente de vocês: Pélvis em: "Pinball: A visão da bola." Blanco em: "Voltas na praça, a balada!!!" Tamtam em: "Flashback do Chaves" (que cena ridícula).
Scot


Para espantar o aborrecimento

Data: 13 à 15 de julho
Local: Mansão de alpinismo e escalada Zago Gomes - Filial Atibaia
Evento: Churrasco (pra variar)
Estrelando: Jackson Japa

Muitos apareceram bem nesse evento, outros nem tanto, mas há também os que quando apareceram, arrasaram com o recinto. Este é o caso de nosso amigo Jackson Japa. Apesar de adotar os métodos de nosso mito kxa (dormindo às sete da tarde para não passar vexame), não adiantou. Reclamando do wisky (o qual tomou apenas três litros), nosso amigo de penteado pouco convencional, passou 99% do evento dormindo, acordou apenas para dar show a platéia. Cantou dançou e saltitou, o verdadeiro Bambi. Era a verdadeira cena tipo: "Dança do Panda corcunda do pé torcido", aquilo foi ridículo. O pior é que houveram seguidores de sua canção do controle mental: Rosa, Jussyana e Mara Samaravilha. Realmente medonho, nem a embriagues pode ser desculpa para tanto ridículo, que papelzinho. Movimentos com o corpo todo sem nexo nenhum. Bom, muitas histórias aconteceram nesses três dias de confinamento, muitas estão para serem contadas, iluminem suas mentes com os títulos: Nilson em: "Ninguém dorme!!!" Rosa em: "Cerveja: café, almoço, jantar" S. Benucci: "Emborrachando a Picanha". Scot


Aguardem próximos posts: os contos do feriado de Porcos Tristes, o Hidro-vexame, etc...

This page is powered by Blogger. Isn't yours?